• hikafigueiredo

"A Terra Treme", de Luchino Visconti, 1948

Filme do dia (182/2015) - "A Terra Treme", de Luchino Visconti, 1948 - Nos anos 40, na Sicília, 'Toni é um jovem pescador que se revolta contra os mercadores de peixe. Decidido a ser seu próprio patrão, hipoteca a casa da família para alavancar um negócio de pesca e comércio de peixes.





Nessa maravilhosa obra de Luchino Visconti temos um representante fiel do Neo-Realismo Italiano, com todos os elementos que o caracterizavam: crítica social, proximidade do documentário, uso de locações reais, aproveitamento da população local como personagens/atores, estética "crua". Como em outras obras do movimento ("Ladrões de Bicicleta", "Vítimas da Tormenta", "Alemanha, Ano Zero") você termina de ver o filme com um gosto amargo na boca e com uma vontade louca de cantar a Internacional Socialista (rs). Em "A Terra Treme" o sentimento de indignação frente à exploração do homem pelo homem toma dimensões extremas - o que 'Toni e sua família passam é revoltante e impressionantemente verossímil. O roteiro é bem amarrado e segue a lógica de "sempre dá para piorar". Os personagens foram interpretados por pescadores reais da Sicília e achei incrível como se saíram extremamente bem na empreitada (melhores que muitos canastrões renomados por aí), com destaque para os intérpretes de 'Toni, Nicola, Mara, Lúcia e Carmelo. A qualidade de som deixou um pouco a desejar, diferentemente da fotografia, preta e branca, muito bonita. O filme é excepcionalmente bom (como tudo do Visconti), mas bastante diferente das obras posteriores, muito trabalhadas esteticamente e simbolicamente, e que marcaram a filmografia do diretor, como "O Leopardo", "Morte em Veneza", "Sedução da Carne" e "Vagas Estrelas da Ursa". Bom, ainda sim, é obra de mestre. Com M maiúsculo.

1 visualização0 comentário