• hikafigueiredo

"Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto", de Sidney Lumet, 2007

Filme do dia (158/2021) - "Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto", de Sidney Lumet, 2007 - Andy (Philip Seymour Hoffman) está em apuros e necessita de uma alta soma de dinheiro com urgência. Ele convence seu irmão mais novo Hank (Ethan Hawke) a assaltar a joalheria de seus pais, mas, quando a ação criminosa dá errado, ambos se veem envolvidos em uma dramática espiral de erros.





Este ótimo thriller não nega sua vocação para drama ao envolver uma família aparentemente saudável em um crime com resultados trágicos. Quando o assalto tem um desenlace imprevisto, a família aparentemente feliz começa a desmoronar e inúmeras tensões, mágoas, mentiras e traições começam a vir à tona. Assim, o ponto nevrálgico da obra é justamente o esfacelamento dessas relações familiares e o que se revela quando máscaras começam a cair. A narrativa é completamente não linear, indo e voltando no tempo cronológico e assumindo diversos pontos de vista. O núcleo central da história são os três personagens masculinos da família: o pai Charles e os filhos Andy e Hank. Curioso como as figuras femininas da família - a mãe Nanette e a filha cujo nome sequer é mencionado - ficam à margem dos dramas familiares e não se envolvem em qualquer jogo de forças ou poder como os homens da família. O ritmo é muito intenso e crescente e a atmosfera é nervosa e, por vezes, angustiante. A história - que começa com o assalto dando errado - torna-se, paulatinamente, mais imbricada e complexa, como uma rápida e vertiginosa descida ao inferno para os dois irmãos. O roteiro é extremamente bem amarrado, não restando arestas. O elenco, afinadíssimo, conta com intérpretes excepcionais: Philip Seymour Hoffman interpreta um Andy frio e calculista, marcado por mágoas e disposto a fazer qualquer coisa para se safar de uma punição por seus erros; Ethan Hawke faz um Hank frágil, fracassado, influenciável, mas infinitamente mais humano que o irmão; Albert Finney interpreta o pai da família, cujos equívocos do passado refletem na relação com os filhos adultos; Marisa Tomei interpreta Gina, esposa de Andy e, muito embora seja apaixonada pelo marido, guarda um segredo dele; o ainda ótimo Michael Shannon faz uma pequena ponta como Dex. Destaque para a cena da discussão entre Andy e Gina (pela interpretação de Marisa Tomei) e para a impactante cena final de Andy e o pai (mérito do fabuloso Albert Finney). O filme é muito bom e leva a direção segura e talentosa de Sidney Lumet. Gostei demais e recomendo à beça!

0 visualização0 comentário