• hikafigueiredo

"Arca Russa", de Aleksandr Sokurov, 2002

Filme do dia (108/2017) - "Arca Russa", de Aleksandr Sokurov, 2002 - Um personagem russo da atualidade se vê, subitamente, em meio a um evento que acontece no Palácio Hermitage, em São Petesburgo. Acompanhado por um diplomata francês do século XIX, ele vaga pelos salões, presenciando acontecimentos aleatórios da vida das personalidades históricas que por ali passaram desde o século XVIII, como Pedro, O Grande; Catarina II; o Czar Nicolau e sua família.





Puxa.... que obra!!!!! Apesar de ter identificado uma ou duas questões problemáticas no filme, a obra é realmente digna de admiração, daquelas de aplaudir de pé. Começa que é uma aula de cinema. É também uma aula de história. E, por fim, é uma aula de artes plásticas. O filme é um único plano-sequência de, aproximadamente, 90 minutos - vamos combinar que isso já seria complicado de fazer em um filme em um espaço confinado com poucos atores. Agora, complique "um pouco" - use, como locação, um dos maiores palácios/museus de arte do mundo e percorra seus 35 salões (!!!), ao mesmo tempo em que coordena mais de 3 mil figurantes (!!!!!!!), todos em movimento. Deu para entender do porquê é uma aula de cinema? Mas voltando ao filme, a câmera é o olhar subjetivo do personagem russo da atualidade (ele não aparece, apenas ouvimos sua voz), que passeia com o olhar curioso de alguém que visita, incógnito (já que poucos o vêem), outra época. Diferentemente dos planos-sequências de Gaspar Noé, cuja câmera é nervosa, ágil, meio esquizofrênica, essa aqui é pausada, serena, suave. Outra característica do filme é a direção de arte vistosa, com figurinos de época exuberantes, tudo muito lindo e grandiloquente. Para quem curte artes plásticas, o passeio pelas obras de arte do museu pode ser um deleite. Mas, apesar de ser maravilhoso, o filme tem dois poréns - o primeiro é não ter exatamente uma trama, o que leva ao segundo porém, o fato de não ter qualquer clímax. Esses dois pontos podem diminuir o interesse do espectador e fazem o filme ser um pouco cansativo (provavelmente porque eu vi em DVD, porque no cinema deve ser incrível). Cabe dizer que o nome do filme não poderia ser mais propício - a ideia da arca que navega pela história da Rússia é bastante adequada à obra. O filme, enfim, é incrível, mas não espere uma narrativa tradicional, encare como uma obra experimental. Recomendo para amantes de cinema/arte

1 visualização0 comentário