• hikafigueiredo

"César Deve Morrer", de Paolo e Vittorio Taviani, 2012

Filme do dia (105/2016) - "César Deve Morrer", de Paolo e Vittorio Taviani, 2012 - Na prisão de Rebibbia, em Roma, um grupo de detentos da ala de segurança máxima, prepara-se para encenar a peça "Júlio César" de Shakespeare. Acompanhamos, então, a escolha de elenco, os ensaios, a apresentação final e o retorno dos presos à sua rotina.





Os irmãos Taviani foram extremamente felizes nessa obra que mescla documentário com drama. Os atores são todos detentos reais e os motivos de suas condenações são, desde cedo, apresentados ao espectador, indo de tráfico e organização criminosa do tipo mafioso a homicídio. Apesar do histórico de violência, os presos organizam-se e respeitam as regras, convivendo em harmonia, tudo em prol da peça. O espectador, mesmo sabendo do passado criminoso daqueles homens, solidariza-se com seu trabalho e empenho, torcendo para que a apresentação seja um sucesso. Aqui reside o grande mérito deste filme - a humanização dos detentos, que param de ser vistos de maneira estigmatizada para serem considerados novamente gente, tudo pelo trabalho de aproximação e recuperação proporcionado pela arte. Assim, a ação humanizadora da arte recai não somente sobre os presos, que se sentem mais integrados, respeitados e valorizados, mas, também, sobre o público, que deixa de ver os presos como sub-humanos, como ameaças que precisam ser marginalizadas da sociedade. Aqui, o trabalho artístico proporciona o desenvolvimento de uma empatia de mão dupla entre o público e os detentos-atores. E, diga-se de passagem, o talento dramático daqueles homens é incrível! Os diretores optaram por filmar a escolha dos atores, os ensaios e preparativos em P&B, enquanto que a apresentação, em si, foi filmada em cores, como um sonho que se realiza. A montagem, como mais um personagem, é responsável por muito da carga dramática da obra, pois sugere relações entre o que está sendo ensaiado e a vida real dos detentos, revela o quase sofrimento criativo dos "atores" ao compor seus personagens, conduz toda a narrativa da obra. O filme é bom demais e recomendo com alegria!!!!!

0 visualização0 comentário