• hikafigueiredo

"A Religiosa", de Guillaume Nicloux, 2013

Filme do dia (108/2015) - "A Religiosa", de Guillaume Nicloux, 2013 - Suzanne (Pauline Etienne) é uma jovem de 16 anos, terceira filha de uma família burguesa, que é obrigada pelos pais a seguir a vida religiosa. A jovem sonha em levar uma vida livre, no entanto, acaba cedendo aos desejos dos pais e faz os votos religiosos, entrando em uma espiral de sofrimento na clausura.





Filme baseado no livro de Denis Diderot, lançado em 1796 e baseado em fatos reais, é, também, uma refilmagem de uma título de 1966. A obra mostra as atrocidades da vida no claustro, onde as freiras que não se "adequassem" eram submetidas à toda sorte de torturas e desmandos por conta de suas superioras. Evidentemente contrária à Igreja Católica, a obra é uma clara crítica à institucionalização e hierarquização da religião e do poder que o Catolicismo possuía na época. Dá ódio no coração o que Suzanne passa, sério. A atriz Pauline Etienne está muito bem como a jovem que se rebela contra a vida religiosa - seu olhar é de uma expressividade rara. Também temos uma interpretação bem interessante de Louise Bourgoin, como a Madre Superiora Christine, sádica e enlevada com o poder adquirido no cargo, e da sempre ótima Isabelle Huppert como Madre Superiora Saint Eutrope, desvairada em seu amor e desejo por Suzanne. A direção de arte é maravilhosa, realçada por uma fotografia bem acima da média. A trilha sonora é marcada por cânticos religiosos, que dão certa aura fúnebre, na minha opinião. O filme é bom, mas o final pode incomodar quem está muito acostumado com as fórmulas hollywoodianas. Curti e aconselho.

0 visualização0 comentário