• hikafigueiredo

"Amor Bruxo", de Carlos Saura, 1986

Filme do dia (101/2021) - "Amor Bruxo", de Carlos Saura, 1986 - Seguindo o costume cigano, Candela (Cristina Hoyos) está prometida a José (Juan Antonio Jiménez) desde a infância. Adultos, eles se casam, para a tristeza de Carmelo (Antonio Gades), apaixonado por Candela. O envolvimento extraconjugal de José com Lucia (Laura del Sol) transformará o destino de todos os envolvidos.





Compondo a "Trilogia Flamenca" de Carlos Saura, junto com "Bodas de Sangue" (1981) e "Carmen" (1983), o filme é uma homenagem à cultura flamenca, ressaltando a forte influência cigana em seus costumes. A obra combina os gêneros drama e musical, trazendo a musicalidade e a dança flamenca em primeiro plano. O filme tem, ainda, um elemento farsesco ao revelar, desde a primeira cena, estar ambientado em um cenário no interior de um estúdio, com refletores espalhados para todos os lados (ainda que, ao longo da narrativa, isto quase seja esquecido). A narrativa é linear, com ritmo moderado, e a atmosfera tem um quê de urgência, graças à paixão incondicional de Carmelo por Candela, assim como certa aura mística. A grande força da obra reside nas belíssimas e dramáticas coreografias flamencas, acompanhadas de seus cantos pujantes e lamurientos e interpretadas por três incríveis dançarinos flamencos: Laura del Sol, magnífica como Lucia; Cristina Hoyos, com seu semblante circunspecto e profundamente poderoso, como Candela; e o fenomenal Antonio Gades como Carmelo (gente... esse homem é um espetáculo! *ai ai!!!!). O filme tem uma potência difícil de explicar - okay, eu sou suspeita porque sou completamente apaixonada pela música e dança flamencas, mas, ainda assim, acredito que essa força da obra alcança todo e qualquer espectador. Eu gosto demais de todos os filmes dessa trilogia e recomendo!

0 visualização0 comentário