• hikafigueiredo

"Clean", de Olivier Assayas, 2004

Filme do dia (153/2015) - "Clean", de Olivier Assayas, 2004 - Emily Wang (Maggie Cheung) é a viúva de um rock star morto por overdose. Após passar seis meses na cadeia por consumo de drogas, Emily tenta se desintoxicar do vício para ter de volta a guarda do filho pequeno, o qual se encontra com os avós paternos desde o falecimento do pai.





Drama suave, sutil ao limite, o filme é marcado pela delicadeza com que conta a descida ao inferno de Emily. Não, não espere cenas objetivas de dor, sofrimento e síndrome de abstinência - tudo o que se diz no filme está justamente na ausência do que se diz. Em outras palavras, o filme passa pelo vácuo de informações e sua riqueza está justamente nesse "mostra-não mostra". O espectador sabe que Emily está "pastando" para se livrar do vício e se reestruturar profissional, econômica e emocionalmente - mas tudo é vago, o que temos é o dia a dia da personagem tentando se estabilizar. Apesar de ser aparentemente vazio, o filme é legal justamente pela originalidade em dizer muito mostrando pouco. A obra apoia-se bastante na excelente interpretação de Maggie Cheung - extremamente sutil - e que lhe rendeu um prêmio em Cannes pelo trabalho. Novamente, não espere caras e bocas - a interpretação da atriz encontra terreno fértil justamente no vazio da personagem e o olhar perdido e a expressão de desânimo são marcantes. Como ator coadjuvante temos Nick Nolte como sogro de Emily e também está muito bem no papel. Tecnicamente, o filme é convencional - nenhuma linguagem cinematográfica exótica, nem movimentos de câmera bizarros - mas tudo muito bem realizado. Destaque para uma trilha sonora interessante mas não conhecida. Gostei do filme, mas tenho certeza que muita gente o achará "insosso", esperando um pouco mais de "tempero" numa história dramática como esta - definitivamente ele está muito mais para cozinha francesa do que culinária baiana... rs

0 visualização0 comentário