• hikafigueiredo

"Paprika", de Satoshi Kon, 2006

Filme do dia (170/2021) - "Paprika", de Satoshi Kon, 2006 - O Dr. Tokita acaba de inventar um aparelho que permite o compartilhamento de sonhos. Quando o experimento é subtraído do laboratório, seus colegas, a Dra. Atsuko e o Dr. Inui, passam a investigar para descobrir quem foi o responsável, ocasião em que o autor começa a interferir na realidade através dos sonhos das pessoas.





Sabe toda aquela viagem que todo mundo achou fantástica em "A Origem" (2010)? Então, vou te contar que foi completamente "chupinhada" dessa animação aqui, do genial Satoshi Kon. A história, como era de se esperar, é totalmente mindfuck, ainda que, numa revisita, as coisas se tornem bem mais claras. A narrativa funde sonho e realidade e, a todo momento, pulamos de uma situação de vigília para outra onírica e vice-versa. A temática recai nas questões da responsabilidade dos pesquisadores e o mau uso da ciência, além de discutir a questão de que, quem tem o controle do conhecimento, "controla o mundo". O ritmo é muito intenso desde a primeira cena. A história, ainda, transita entre a fantasia e o suspense e a atmosfera é constantemente tensa. Satoshi Kon é hábil em criar narrativas complexas no estilo "mindfuck", algo que ele já fizera maravilhosamente bem em "Perfect Blue" (1997) e "Millenium Actress" (2001). A animação tem o característico traço dos animes, é muito colorida, com cores ultra saturadas e uma riqueza de imagens alucinante (lembrando que, tratando-se sonhos, tudo é permitido). É uma animação adulta - não recomendo nenhuma das histórias de Satoshi Kon para crianças pois todas contém cenas impróprias. É uma animação excepcional - eu já ficara impressionada da primeira vez que eu vi, a revisita só me confirmou o que minha memória havia guardado: uma grande obra! Recomendo demais!!!! PS - A tempo: recentemente eu assisti ao filme "O Sono da Morte" (2016) e qual não foi a minha surpresa ao me dar conta de que esse filme também traz referências à "Paprika" ???? Éééééé... nada se cria, tudo se copia...

0 visualização0 comentário