• hikafigueiredo

"Uma História de Amor e Fúria", de Luiz Bolognesi, 2013

Filme do dia (127/2017) - "Uma História de Amor e Fúria", de Luiz Bolognesi, 2013 - Um guerreiro imortal (Selton Mello), defendendo sua amada Janaína (Camila Pitanga), vivencia diferentes momentos da história do Brasil, desde a colonização até chegar em 2096, numa realidade distópica.





Animação brasileira, vencedora do prêmio Annecy (principal prêmio mundial de animação), a obra tem méritos inegáveis. O primeiro é colocar na tela a luta contra a opressão, quaisquer que sejam seus atores, focando na figura do oprimido e elevando-o a à categoria de herói, ainda que derrotado - assim, retrata-se desde a luta dos indígenas contra os colonizadores, passando pela Balaiada, o advento do cangaço, o período da ditadura, o surgimento do crime organizado no país e, finalmente, num futuro hipotético, a luta armada contra o controle e comercialização da água potável. O segundo, mas não menos importante mérito, é evidenciar a qualidade técnica da animação brasileira - apesar de não gostar tanto da figura humana retratada, muito HQ para mim, o traço geral é ótimo e algumas passagens são impressionantes (na minha opinião, o momento do futuro distópico, que nos remete à estética dos animes japoneses, é a que merece mais destaque - é incrível!!!). No elenco, as vozes de Selton Mello, eterno queridinho do cinema nacional, muito melhor dublador que Camila Pitanga, que eu achei um pouco fraca na função (sei lá.... faltou paixão na personagem Janaína, para mim), além de duas pontinhas de Rodrigo Santoro (como o índio Piatã e o guerrilheiro Júnior). Eu gostei bastante e recomendo. PS - a crítica especializada criticou muito a ideologia embutida na história, achando-a dispensável. Como eu acho que a ausência de uma ideologia já é, em si, uma posição ideológica, pois não se posicionar contra um status quo é o mesmo que apoiá-lo, o que eu acho dispensável é considerar essa crítica especializada...

0 visualização0 comentário