• hikafigueiredo

"Walt nos Bastidores de Mary Poppins", de John Lee Hancock, 2013

Filme do dia (55/2016) - "Walt nos Bastidores de Mary Poppins", de John Lee Hancock, 2013 - Walt Disney (Tom Hanks) tenta, há vinte anos, conseguir os direitos para filmar a obra Mary Poppins, mas, a autora P. L. Travers (Emma Thompson) é resistente à ideia. Numa última cartada, Disney chama Travers para acompanhar a criação de um possível roteiro, mas a autora demonstra, a todo instante, sua impaciência com o projeto.





O filme trata, basicamente, da tenacidade de Walt Disney com relação a seus sonhos e, em particular, a esse projeto. A escritora, um verdadeiro azougue e uma sincericída extremada, problematiza toda a criação do roteiro, levando a equipe ao desespero. Inicialmente achei que o diretor havia carregado nas cores da chatice de Travers, mas, a cena final que mostra uma gravação real da época onde a autora discute com a equipe dá a dimensão do problema. O filme é composto de dois tempos - o momento da criação do roteiro do filme e a infância de Travers na Austrália, que explica a origem da personagem Mary Poppins na família da escritora. O roteiro flui razoavelmente bem, principalmente pelas cenas do passado da autora que dão um tom mais dramático à história e quebram um pouco uma eventual monotonia caso todo o filme se concentrasse no segundo momento. Do ponto de vista técnico, é um filme tradicional e correto, mas sem qualquer atributo de destaque. As interpretações mantém o nível da maravilhosa Emma Thompson (sim, eu sou fã dela) e do sempre ótimo Tom Hanks. Colin Farrell, apesar da sua limitação como ator, está bem como o pai da jovem Travers. Ainda temos a participação do queridíssimo Paul Giamatti (ele é tão bom ator, detesto que ele quase só faça papéis secundários) e de Jason Schwartzman (figura constante nas obras de Wes Anderson). O filme não é uma grande obra prima, mas também não é ruim, servindo, no mínimo, para apreciar o trabalho dos atores. Ah, eu gostei.

0 visualização0 comentário