• hikafigueiredo

"Nosferatu", de F. W. Murnau, 1922

Filme do dia (168/2015) - "Nosferatu", de F. W. Murnau, 1922 - Hutter, um funcionário de uma corretora, é destacado por seu chefe para ir à Transilvânia a fim de vender um imóvel ao Conde Orlok. O jovem deixa, em sua cidade natal, Ellen, sua jovem e bela esposa e viaja para Transilvânia, sem saber do terrível segredo que o conde esconde.





O filme, marco do Expressionismo Alemão, foi a primeira adaptação de "Drácula", de Bram Stoker, para o cinema. Na obra, encontramos alguns elementos clássicos do Expressionismo Alemão, tal como a figura do sonâmbulo (que, naquele momento histórico seria a representação do povo alemão, "adormecido" frente aos acontecimentos políticos do país) e o mal à espreita, no caso, o vampiro (representação da ascensão do nazismo ao poder), podendo-se dizer que há um forte diálogo deste filme com outros dois marcos do movimento - "Metrópolis", de Fritz Lang, e "O Gabinete do Dr. Caligari", de Robert Wiene, ambos maravilhosos. A obra coloca, ainda, a figura de Nosferatu como a mais pura representação do mal - não há justificativa para a maldade do personagem, ele é intrinsecamente ruim e ponto final. A representação da figura de Nosferatu é, também, assustadora e abjeta - não há, como em muitos filmes de Drácula modernos, o ingrediente da sedução, assim como não há a romantização do personagem como em "Drácula, de Bram Stoker" de Coppola - Nosferatu é horroroso em todos os sentidos. Também não aparece, em nenhuma cena sequer, sangue ou violência - o terror é sutil, psicológico, discreto - mas. ao menos para mim, bastante eficiente (já disse antes, morro de medo de filmes de terror mudos, achando-os absolutamente assustadores). O filme conta com uma bela fotografia PB, repleta de fade in e fade out, como era comum na época e uma trilha sonora bastante grandiloquente. Os atores estão bem, levando em conta a interpretação teatral da época, com destaque para Max Schreck como Conde Orlok. Bom, o filme é perfeito, mas há que se gostar de filmes mudos.

4 visualizações0 comentário