• hikafigueiredo

"Dois Dias, Uma Noite", de Jean-Pierre e Luc Dardenne, 2014

Filme do dia (110/2016) - "Dois Dias, Uma Noite", de Jean-Pierre e Luc Dardenne, 2014 - Sandra (Marion Cotillard) está saindo de uma depressão. Quando retorna de seu afastamento do trabalho, recebe a notícia de que seus colegas terão de escolher entre o emprego dela e um bônus salarial de mil euros. Numa primeira votação, a maioria escolheu pela sua saída. Sandra terá um final de semana para convencer seus colegas a votarem pela sua manutenção, abrindo mão do bônus.





O tema central do filme é a empatia - como as pessoas são solidárias (ou não) às questões e aos dramas alheios. A obra também discorre sobre caráter e gratidão. Ao longo do filme observamos como Sandra sempre foi empática e acolhedora com seus colegas e como a resposta destes nem sempre foi positiva. Apesar do argumento simples e do roteiro tradicional, desenvolvido em tempo cronológico, a história absorve o espectador, que passa torcer, com simpatia, pela permanência de Sandra em seu emprego. O ritmo é lento, pausado, reflexivo, como o trabalho "de formiguinha" de Sandra em visitar cada um de seus colegas para com eles conversar, recebendo as mais diversas reações à sua iniciativa. O forte do filme está na interpretação da sempre estupenda Marion Cottilard que consegue transmitir ao público seu desespero de uma forma contida, sem descambar para uma atuação exagerada. Pelo papel, Marion recebeu indicação para Oscar de Melhor Atriz (perdendo para Julianne Moore em "Para Sempre Alice"). Já o filme recebeu indicação para a Palma de Ouro em Cannes (os diretores já haviam ganho o prêmio em 2005, pelo ótimo filme "A Criança"). Filme ótimo, recomendado para quem curte filmes mais intimistas.

0 visualização0 comentário