• hikafigueiredo

"Elle", de Paul Verhoeven, 2016

Filme do dia (19/18) - "Elle", de Paul Verhoeven, 2016 - Michele (Isabelle Huppert) é atacada e estuprada dentro de sua própria casa por um homem mascarado. Ela opta por não acionar a polícia e tampouco faz qualquer alarde do ocorrido. Quando começa a receber mensagens ameaçadoras do estuprador, Michele começa desconfiar dos homens com quem convive e procura meios de se defender e descobrir o autor do crime.





A primeira sensação que eu tive em relação ao filme é de que ele mostra uma alma feminina sob a ótica masculina. Fetiches à parte - já que qualquer fetiche consentido é válido e permitido - a personagem não me pareceu real em suas "perversões", me pareceu muito mais uma criação de uma mente masculina ou, em outras palavras, como um homem imagina que seja o desejo feminino. Apesar desta característica que fez com que eu sentisse a personagem meio "descolada" da realidade em alguns aspectos (não todos), o filme é bem bacana e Michele é retratada de maneira bem complexa - ela é segura, dominadora, auto suficiente, pragmática, mas, por vezes, sujeita-se a situações pelos mais variados motivos (até por "preguiça" de confrontar alguém). Ela também pode ser acolhedora num momento, e vingativa e canalha um segundo depois. Em suma, Michele é humana, pode ser contraditória muitas vezes, pode ter atitudes mesquinhas ou moralmente repreensíveis, mas nada disso a faz um monstro ou uma santa. Lembro que muitas pessoas - a maioria mulheres - que haviam visto o filme me disseram que ficaram com raiva de Michele e eu juro que não entendi o porquê - por ela não aceitar ser vítima? Por não posar de mártir? Por ser meio amoral? Não sei, nada disso me afetou na verdade e eu fiquei ainda com essa dúvida. Mas voltando ao filme, ele discute, basicamente, o desejo e as relações de poder, assuntos que permeiam toda a narrativa. O roteiro é bem construído e apesar das 2h10min de filme, ele flui muito bem. O grande destaque do filme, definitivamente, é a interpretação de Isabelle Huppert - em nenhum momento ela pesa a mão com Michele, a personagem tem nuances, tem volume, é densa, e desconfio que, caso tivesse sido interpretada por outra atriz, a personagem poderia ter saído bem estereotipada. Pela interpretação em "Elle", Isabelle Huppert ganhou o Globo de Ouro de melhor Atriz em Drama, merecidíssimo. A obra é ótima, mas incomoda (algumas pessoas mais que outras). Recomendo.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo