• hikafigueiredo

"O Poderoso Chefinho", de Tom McGrath, 2017

Filme do dia (269/2017) - "O Poderoso Chefinho", de Tom McGrath, 2017 - Tim é um menino de sete anos que é surpreendido pelo nascimento de um irmãozinho. Ele precisará aprender a lidar com essa nova situação familiar e, para isso, contará com toda a sua fértil imaginação.





A animação retrata, com humor e sensibilidade, como acontece o processo de apego e despertar do afeto do personagem Tim por seu pequeno irmãozinho recém chegado. Apesar da história aparentar mostrar o que está acontecendo de fato, é claro que tudo reside na imaginação de Tim e trata-se da sua forma particular de lidar com a situação nova e possivelmente incômoda, uma vez que o menino, agora, precisa dividir o afeto dos pais com o pequeno "intruso" - uma coisa bem "Calvin e Haroldo". Eu, que não esperava nada da história e assisti por insistência das filhas, fui surpreendida com uma narrativa até que bem bonitinha, bem feita e divertida. Dispensaria o desfecho final, mas entendo que o público médio norte-americano não está acostumado com as "entrelinhas" e precisa de explicação bem explícita para entender as coisas, no caso, de que toda a história é a versão imaginada por Tim para aquela situação. O traço do filme é limpo, simples, sem grandes sofisticações e bem infantil (afinal é um desenho realmente voltado para as crianças). Gostei bastante do time de "vozes" - Alec Baldwin interpreta o "Baby Boss" e deixa evidente sua veia cômica; Lisa Kudrow dá voz à mãe de Tim, Jimmy Kimmel, ao pai do garoto, Steve Buscemi interpreta o vilão e Tobey Maguire faz o Tim adulto (a parte que eu dispensaria fácil). A obra é simpática, mas não se pode esquecer que é voltada para um público infantil e, como tal, tem um nível de profundidade e complexidade adequado à faixa etária. Fofinho, aconselho para crianças e pré-adolescentes e seus pais.

0 visualização0 comentário