• hikafigueiredo

"Os Bons Companheiros", de Martin Scorsese, 1990

Filme do dia (127/2022) - "Os Bons Companheiros", de Martin Scorsese, 1990 - Brooklin, New York, década de 1950. O adolescente Henry Hill (Christopher Serrone) observa o poder dos gângster em seu bairro e sonha em entrar para o crime organizado. Cedo ele começa a trabalhar para Paulie (Paul Sorvino) e consegue ganhar espaço entre os criminosos. Já adulto, Henry (Ray Liotta) associa-se a Tommy (Joe Pesci) e Jimmy (Robert De Niro) para cometer crimes diversos, indiferente à violência e aos assassinatos que seus "amigos" provocam.



Certamente o melhor filme de máfia desde "O Poderoso Chefão" (1972/1974/1990), a obra baseia-se no livro "Wiseguy", de Nicholas Pileggi, relato real da experiência do autor nos anos em que esteve envolvido com um braço da máfia norte-americana. O filme vai revelar as entranhas do crime organizado, seus códigos de ética e comportamento, a fidelidade entre seus membros tão sólida quanto a certeza de que, a qualquer vacilo, o envolvido poderá ser sumariamente descartado, recebendo um belo "terno de madeira" último modelo. A obra acompanhará os personagens ao longo de trinta anos de atividade criminosa, passando pelos célebres "acordos de proteção", corrupção policial, agiotagem, assaltos, desvios de carga, lavagem de dinheiro, crimes tributários, agressões físicas e assassinatos, e até mesmo a entrada da organização no tráfico de drogas. Paralelamente às atividades criminosas, o filme mostra como eram as relações familiares e sociais dentro da máfia, a forma como os participantes eram próximos e compartilhavam seu tempo uns com os outros, a amizade entre as esposas e os filhos dos mafiosos e a estranha atração que os bandidos exerciam sobre algumas mulheres. A narrativa é não linear - ela inicia em um determinado ponto da história, retroage até a adolescência do protagonista, segue cronologicamente até o ponto inicial e, daí em diante, continua a história em tempo linear até o desfecho. O ritmo é ágil, chegando a ser quase insano em algumas passagens. O filme não chega a criar "climão", mas alguns trechos são bem tensos, em especial no terço final da obra. Apesar de longo - 145 minutos de duração - o filme passar num piscar de olhos, sem que o espectador perca a atenção por um mísero segundo. Como em muitos filmes de Scorsese, a fotografia é marcante e colabora com o ritmo alucinante imposto pela edição, especialmente por conta de uma câmera muito movimentada, que acompanha de perto a ação - temos vários planos-sequência, onde a câmera "segue" os personagens através de trevillings rápidos e sucessivos. A trilha musical da obra é EXCEPCIONAL e faz uso de muita música de época, com hits de intérpretes como Tony Bennet, Aretha Franklin, Cream, Rolling Stones, George Harrison, Sid Vicious, The Cadillacs, além de outros menos conhecidos. O elenco, por sua vez, não poderia ser mais acertado: Ray Liotta encarna o mafioso sedutor Henry Hill quando adulto, muito bem no papel, personagem também representado por Christopher Serrone, quando jovem; Robert De Niro interpreta o criminoso Jimmy, com toda a maestria que lhe caracterizava quando escolhia seus personagens com mais sensatez; Lorraine Bracco interpreta a personagem Karen Hill, esposa de Henry - a atriz, ótima, consegue transmitir toda aquela atração que o poder do protagonista exercia sobre a personagem; Paul Sorvino interpreta o chefão Paullie, perfeiro em sua atitude blasé e de autoridade; mas quem está brilhante no filme é Joe Pesci, o qual interpreta o violento, vingativo, quase tresloucado Tommy - é perfeita a composição do personagem, que aproveita as características do ator (baixa estatura, voz esganiçada) como contraponto à violência e poder de Tommy. Samuel L. Jackson faz uma ponta mínima como Stacks. O filme foi indicado a um sem fim de prêmios, sendo agraciado com o Oscar (1991) de Melhor Ator Coadjuvante para Joe Pesci; o BAFTA (1991), de Melhor Filme, Roteiro Adaptado, Direção, Figurino e Montagem; e o Leão de Prata (Melhor Realização), no Festival de Veneza (1990). O filme é excepcional, delicioso de ver, arrebatador, sem defeitos. Recomendo DEMAIS!

0 visualização0 comentário