• hikafigueiredo

"Tick, tick... BOOM!", de Lin-Manuel Miranda, 2021

Filme do dia (353/2021) - "Tick, tick... BOOM!", de Lin-Manuel Miranda, 2021 - Jonathan Larson (Andrew Garfield) é um aspirante a compositor de musicais para a Broadway que, embora promissor, encontra-se estacionado na carreira. Prestes a completar trinta anos, ele se vê numa corrida contra o relógio para terminar um musical que lhe ocupou oito anos e que será objeto de um workshop. Paralelamente a isso, ele tenta lidar com a namorada, os amigos e as questões materiais que se impõe.





Baseado no musical homônimo de autoria do próprio Jonathan Larson, o filme discorre sobre o momento delicado do autor, quando oscilava entre continuar em busca de seu sonho ou largar tudo para ganhar dinheiro como publicitário. Para quem não liga nome à pessoa, Larson é o autor do musical "Rent", que, cinco anos depois desta obra, ganhou a Broadway, permanecendo doze anos em cartaz e alcançando palcos pelo mundo inteiro. Infelizmente, Larson jamais soube do sucesso de sua obra, pois faleceu às vésperas da estreia, de um aneurisma na aorta. Em "Tick, tick...BOOM!", Larson retrata sua própria existência, seguindo os conselhos de sua agente de escrever sobre algo que conhecesse a fundo. Na história acompanhamos seus perrengues, sua crise criativa, as esperanças que tinha em relação a sua primeira obra, de nome "Superbia", sua relação com a namorada e os amigos, dentre outros. O filme mescla a vida de Larson naquela época com a montagem de "Tick, tick... BOOM!", incluindo, bem no fim, cenas reais do autor e da primeira montagem deste musical. A obra é marcantemente dinâmica e evidentemente metalinguística, inclusive misturando a realidade ficcional com a encenação do musical criado pelo autor. E põe dinâmica nisso - temos, aqui, um belo trabalho de edição, que não deixa o ritmo esvanecer um segundo sequer. Apesar de tratar mais de problemas do que de qualquer outra coisa, a atmosfera da obra é, na maior parte do tempo, animada, "para cima" - mas, aqui e ali temos algumas cenas bastante dramáticas, com destaque para a cena da conversa entre Jonathan e Michael, seu melhor amigo. Obviamente, tratando-se de um musical vertido para cinema, predominam as cenas musicadas, muito bem aproveitadas e bem variadas. A trilha sonora é ótima - quem já viu "Rent" sabe quão bom era o autor, e aqui não é diferente. A fotografia do filme acompanha a dinamicidade da edição - temos plongées, contraplongées, movimentos de câmera variados, planos criativos, posicionamentos de câmera originalíssimos, tudo contribui para o ritmo da obra. No elenco, um Andrew Garfield impressionante, sua interpretação me surpreendeu muito positivamente (não que eu não o ache um bom ator, pelo contrário, mas sua desenvoltura cantando e até mesmo arriscando alguns movimentos de dança foi admirável, não sabia desses talentos do intérprete); Alexandra Shipp interpreta a namorada Susan, com bastante graciosidade; Robin de Jesús interpreta Michael, o melhor amigo de Jonathan e modelo de sucesso financeiro para o autor, num trabalho simpaticíssimo; Vanessa Hudgens interpreta a personagem Karessa, uma das intérpretes da peça. Destaque para a cena de Jonathan e Michael no novo apartamento de Michael - divertidíssima - e para a cena em que Jonathan e Karessa interpretam, na montagem da peça, uma discussão entre o autor e a namorada - hilária!!!! O filme foi uma gratíssima surpresa - o nome da obra, na minha opinião, péssimo, me deixou ressabiada, mas a realidade é que ele é uma delicinha e eu realmente adorei, fiquei super envolvida pela obra!!! Recomendo muito e está facinho: está tanto no cinema (para quem quer tela grande), quanto na Netflix! Aproveitem!

1 visualização0 comentário